Real Time Web Analytics Violência Semântica: Agosto 2013

terça-feira, 13 de agosto de 2013

Sendo Simplista


Penso que, uma vez tendo-se retirado os obstáculos materiais em uma sociedade humana, isto é, uma vez que ninguém mais tenha que ter, como preocupação primeira e imperativa, os meios materiais necessários para sobrevivência e distração, a disputa nas relações humanas podem, então, se dar em outro nível - em um nível melhor, aliás.

O conservador, em alto tom, sempre nos diz que a disputa, a concorrência, o "querer ser melhor" e etc, é uma natureza humana irrevogável e que, por isso, o sistema liberal de mercado corrobora melhor com a realidade do mundo.

A primeira parte desta inferência eu concordo completamente: o ser humano é, em natureza, egoísta mesmo, quer se sobressair sempre, concorrer e etc. O que eu não posso concordar é que este impulso de competição tenha de se dar, de modo dominante, em nível financeiro ou material. 

Porque não pensar logo em uma sociedade onde os bens essenciais já estão garantidos e deixar o homem, em vez de ficar brigando por latifúndios, realizar suas disputas dentro da ciência, da arte e da filosofia?? Neste âmbito já há muito o que brigar, muito que se disputar; é, pois, um território de concorrência que permite uma vazão muito maior destes impulsos que, até agora, são direcionados à brigas materiais.

Um estudante que não precisa se preocupar se vai ter o que comer e onde dormir pode estudar em paz. Além disso, uma vez que o conhecimento é a única forma dele se destacar entre os outros (uma vez que um carro luxuoso e roupas não são mais destaques), ele estuda em dobro. Isso tudo sendo dito com a mesma lógica originária do conservador. A ciência, neste momento, finalmente explode em desenvolvimento e a arte então passa a revelar suas maiores obras.