Pular para o conteúdo principal

O Uso Público e Privado da Razão


“Denomino uso privado aquele que o sábio pode fazer de sua razão em um certo cargo público ou função a ele confiado. Ora, para muitas profissões que se exercem no interesse da comunidade, é necessário um certo mecanismo, em virtude do qual alguns membros da comunidade devem comportar-se de modo exclusivamente passivo para serem conduzidos pelo governo, mediante uma unanimidade artificial, para finalidades públicas, ou pelo menos devem ser contidos para não destruir essa finalidade. Em casos tais, não é sem dúvida permitido raciocinar, mas deve-se obedecer.”

“[...] Entendo, contudo sob o nome de uso público de sua própria razão aquele que qualquer homem, enquanto sábio, faz dela diante do grande público do mundo letrado.” (Resposta à pergunta: O que é o Esclarecimento - Immanuel Kant)

É bem possível dizer que Kant, quando escreveu “Resposta à Pergunta: Que é Esclarecimento?”, ele estava exercendo seu saber dentro dos limites do condicionamento do uso privado da razão. Ora, esta idéia de que em um setor de nossas vidas o pensamento está limitado institucionalmente - isto é, limitado às convenções e normas do estado - nos remeterá necessariamente em um eterno uso privado da razão. O que Kant entende como uso público da razão ainda está dentro das convenções estatais: por mais que não seja mais um serviço prestado formalmente – burocraticamente - ao estado, este ainda se encontra em suas outras formas no cotidiano, inclusive, na fiscalização de qualquer material intelectual que esteja circulando nos limites públicos. O público para Kant é ainda precisamente o território do estado que, obviamente, não aceitaria nada além que lhe tivesse utilidade egoísta assim como a mão-de-obra de um professor da cátedra. Em uma peculiar exceção, o máximo que se aceitaria seria o que lhe parecesse inofensivo, “meramente poético”, exagerado ou absurdo como podemos saber pelo depoimento daquele que veio autorizar a principal obra do jovem hegeliano Max Stirner: “[...] o ministro Von Falteinstein vem autorizar a publicação do livro, considerando que era ‘demasiado absurdo para ser perigoso’, e argumentando que “o livro se lê em grande medida como se fosse irônico e se refutasse clamorosamente a si próprio’.”. Esperar que durante todo o pensamento de um homem suas inferências estarão coincidentemente em acordo, ou melhor, guiado autonomamente e paralelamente aos interesses de um superior é esperar uma coincidência que em sua enorme probabilidade não se poderá chamar de filosofia sincera. O porquê nos parece claro, em Schopenhauer, quando este se refere à como se comportam os servos imediatos do Estado com uma filosofia estreante: “De fato, não ocorre a um professor de filosofia verificar se um novo sistema estreante é verdadeiro, mas apenas se ele pode harmonizar-se com as doutrinas da religião do Estado, com as intenções do governo e com as opiniões dominantes da época.”. A suspeita ressonância com a doutrina do Estado que podemos identificar em diversas filosofias faz do uso público e privado da razão de Kant algo bem tendencioso. Como se alguém estivesse preocupado, antes de mais nada – antes da filosofia – com a sua pele. Trata-se, sobretudo, de fazer filosofia sob certas condições que nunca a tornará verdadeira. Portanto, segundo a citação de Espinoza em Hanna Arednt: “A preocupação pela existência não terá primazia nítida em relação ao resto – qualquer virtude e qualquer princípio? [...] ‘não existe lei mais alta que a sua própria segurança’.”.

Ao que parece de pouco vale separar o público e privado no exercício da filosofia, pois onde quer que ela ande estará no território e vistas do Estado. Um filósofo não se torna autêntico ao fim do dia quando já prestou seus serviços privados e pode então voltar-se ao “grande público do mundo letrado”. Enxerga-se uma embaraçosa tentativa de demonstrar que as “garras” do Estado não machucam tanto assim, esteja estas no campo privado ou público: “Porque no que se refere às artes e ciências nossos senhores não têm nenhum interesse em exercer a tutela sobre seus súditos, além de que também aquela menoridade é de todas a mais prejudicial e a mais desonrosa. Mas o modo de pensar de um chefe de Estado que favorece a primeira vai ainda além e compreende que, mesmo no que se refere à sua legislação, não há perigo em permitir a seus súditos fazer uso público de sua própria razão e expor publicamente ao mesmo por meio de uma corajosa crítica do estado de coisas existente”. No âmbito público, a liberdade, segundo Kant, será indispensável para a saída da menoridade rumo ao esclarecimento. Esta liberdade, entendida neste contexto por Kant como o livre uso público da razão, é obscura: pois ainda que surja com certa luz no exercício público ela acaba por ser absorvida pela “coincidente” necessidade de estar em ressonância com o Estado. Desenvolvendo uma admirável crítica, Schopenhauer, em um trecho de uma de suas obras, Sobre a Filosofia Universitária, vacila no final com suas ocasionais paparicações: “Mas o pior é que, a todo pensamento que de algum modo ainda ocorra a um homem em tal situação [a de professor], logo lhe assalta a preocupação de saber se tal pensamento poderia convir às intenções dos superiores: isso paralisa tanto seu pensar, que os próprios pensamentos já não ousam ocorrer. A atmosfera de liberdade é indispensável à verdade. Sobre a exceptio, quae firmat regulam, ou seja, sobre o fato de Kant ter sido professor, já mencionei antes o necessário acrescento apenas que também a filosofia de Kant ter-se-ia tornado mais elevada, decidida, pura e bela, se não tivesse assumido aquela cátedra. Embora ele, mui sabiamente, tenha mantido o filósofo o mais longe possível do professor, já que não expunha sua própria doutrina na cátedra.”. As irrisórias críticas ao Estado de Schopenhauer não o retira – simplesmente porque não é professor – do condicionamento de sua filosofia. Uma vez – seja Kant, Hegel, ou Schopenhauer – tendo em primazia, como o disse Hannah Arendt, a segurança da própria pele antes da filosofia, não será válido, em nenhuma condição, o discurso filosófico sobre o que verdadeiramente aponte para a verdade, isto é, para a sinceridade com o todo e consigo mesmo.

- Benny

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Canais Iônicos e Potencial de Repouso

Na membrana das células neuronais estão, além de outras proteínas de membrana, os canais iônicos. Estes canais são proteínas de membrana integrais, isto é, atravessam a membrana de dentro a fora (KANDEL, 2003). Sua função crítica está em produzir alterações rápidas da diferença de potencial elétrico, levando informação a longas distâncias, tais como outros tecidos e órgãos (YU et al., 2005). 
Havendo uma mudança no potencial elétrico ao longo da membrana, ou mesmo quando da presença de um ligante ou estímulo mecânico, estes canais sofrem mudanças conformacionais, permitindo a passagem seletiva de íons através deles (YELLEN, 1998). A passagem de íons através dos canais iônicos se dá de forma passiva, isto é, sem gasto de energia, segundo o gradiente químico favorecido: onde há, por exemplo, menos potássio tende-se a receber mais potássio. Contudo, no amplo mosaico de proteínas da membrana, se sabe também da presença uma outra classe de moléculas especializadas semelhantes aos canais iôn…

Black Mirror não é s/ tecnologia, nem s/ o que há de pior em nós: é sobre filosofia.

Nas últimas semanas me deparei com dois textos: um que atribuía a temática "tecnologia" e outro que atribuía a temática "sobre o que há de pior em nós mesmos" acerca do seriado Black Mirror.
Considero essas atribuições uma negligência grosseira, uma vez que desconhecem o que filósofos fazem, pelo menos, desde Descartes - ou até antes. Trata-se do que chamamos em filosofia de "experimentos de pensamento" (ou thought-experiment, como foi cunhado pelos filósofos de língua inglesa). Os experimentos de pensamento são uma poderosa ferramenta epistemológica presente em muitos argumentos filosóficos, sobretudo aqueles de teor metafísico. Grosso modo, são casos imaginários conjecturados a fim de colocarem em teste as nossas intuições. Por exemplo, no caso de Locke, é muito conhecido o experimento de pensamento de trocas de mentes do Príncipe e o Sapateiro, onde a intenção é forçar nossas intuições acerca dos critérios metafísicos de identidade pessoal.
Locke, con…