Pular para o conteúdo principal

A teoria do duplo-aspecto de Thomas Nagel


Por Benilson Nunes (Benny)
1. Introdução

Para compreender a teoria de Nagel a respeito da consciência, devemos, de antemão, explicitar as suas pretensões metafísicas mais fundamentais. Trata-se do que o autor passou a nomear, em 1986, de “teoria do aspecto dual” (NAGEL, 2004, p. 43) ou, como poderíamos dizer em função de seu monismo, monismo de duplo-aspecto. Essa dualidade de aspectos, segundo Nagel, dá-se em uma terceira coisa[1] que abriga, essencialmente e simultaneamente, o mental[2] e o físico. Dizendo de outro modo, o monismo de duplo-aspecto nageliano é uma teoria da dupla-essencialidade — mental e física — a respeito de um substrato mais fundamental da realidade. Assim, temos que a realidade possui, ela mesma, uma escala última que seria, propriamente, psicofísica.
            
Essa tese da essencialidade psicofísica da realidade advogada por Nagel surge com a pretensão de resolver o problema que ficou intitulado, a partir do artigo Materialism and qualia: the explanatory gap de Joseph Levine (1983), “lacuna explicativa”. Tal lacuna, a despeito de ser, em geral, uma lacuna epistemológica, deve também ser entendida em sua versão metafísica ou ontológica, a saber, qual é o elo no mundo, e não simplesmente o arranjo teórico necessário para um dia compreendê-lo, entre os eventos conscientes e eventos físicos. Essa última lacuna se apresenta, no entender de Nagel, como consequência da lacuna epistemológica mais geral, isto é, em função de uma atual debilidade científica para enfrentar as dimensões subjetivas e objetivas da realidade. Para que essa carência epistemológica seja resolvida, urge a necessidade de um novo termo, ou aparato teórico, capaz de dar conta, simultaneamente, do mental e do físico. Isso significaria uma reforma radical na imagem de mundo (metafísica) assumida nas ciências modernas, cuja decorrência virá em virtude, necessariamente, dos novos dados que tal teoria inédita seria capaz de desvelar. Isso ocorreria, pois, segundo Nagel, instâncias nunca antes notadas do real ganhariam inteligibilidade com essa nova epistemologia. Logo, para se resolver a lacuna metafísica — que parece ser a mais importante para Nagel — é necessário resolver, antes, a lacuna epistemológica.
            
Frente a isso, poderíamos levantar a seguinte questão: por que seria efetivamente necessário uma reforma nos atuais modos científicos de investigar o universo? A ciência não conteria os elementos teóricos capazes de abarcar essa instância essencialmente psicofísica? Para Nagel, a resposta é explicitamente negativa. E o porquê dessa resposta será parte do objetivo desse trabalho.
            
Por fim, para em seguida podermos iniciar uma reflexão mais detida, devemos saber que Nagel foi um divisor de águas na filosofia da mente no que tange a ideia de que as qualidades fenomenológicas da experiência mental são, por si mesmas, reais e irredutíveis. Sua postura sobre foi bem delineada, pela primeira vez, no artigo Como é ser um morcego (NAGEL, 1974). A partir deste artigo, a expressão, com suas variantes, “what-it-is-likeness” passou a ser utilizada com frequência para se fazer referência ao que há de irredutível nos processos mentais. Mais especificamente, isso constituiu uma reação ao reducionismo fisicalista que passou a se desenvolver nos anos 50 a partir de trabalhos daqueles que ficaram conhecidos como teóricos da identidade. Veremos que, a despeito de negar a redutibilidade da consciência, Nagel permanece, ao menos em suas próprias pretensões, como um teórico da identidade. Diante disso, algumas posturas de Nagel podem parecer, à primeira vista, contraintuitivas. De todo modo, os seus trabalhos, sobretudo tendo como plano de fundo a sua epistemologia resultante, relevam-se muito interessantes e comprometidos com a atividade científica.

2. A lacuna explicativa. 
         
Em seu artigo The psychophysical nexus (2000), Nagel busca uma resposta ao problema colocado por Kripke com respeito à modalidade da relação mente-corpo. Diz, Kripke (1980, p. 155), ao final de Naming and Necessity, e o próprio Nagel o cita, que a tese fisicalista de dependência estrita[3] do mental ao físico vai de encontro a uma conceptibilidade patente, a saber, de que é possível que fatos físicos não estejam acompanhados, necessariamente, de fatos mentais. Assim, temos que para a tese fisicalista estar correta, ou seja, para que haja uma identidade necessária entre eventos mentais e eventos físicos, faz-se preciso que não seja concebível, e portanto possível na metafísica de Kripke, a possibilidade de um dado evento cerebral ocorrer sem um dado evento consciente correspondente.
            
Sobre isso, os filósofos da mente evocam a possibilidade dos chamados “zumbis filosóficos”. Um zumbi filosófico, em sua versão mais radical[4], é uma criatura sem experiências conscientes, mas que apresenta, no entanto, isomorfia neurofisiológica em relação a uma outra criatura que sabemos ser consciente. Em outras palavras, se um neurocientista inspecionar a maquinaria cerebral de um zumbi filosófico do tipo citado, incluindo suas dimensões teciduais, celulares e moleculares, ele encontrará, nestes termos, uma réplica infalível de um cérebro consciente, mas que, efetivamente, não possui experiências mentais ― por exemplo, experiência visual de uma cor, de um sabor ou de dor. John Heil (2013, p. 51) define-o da seguinte maneira:
Os zumbis filosóficos, distintos dos zumbis cinematográficos, não são "mortos-vivos", nem criaturas que se cambaleiam ameaçando a vida. Os zumbis filosóficos são criaturas idênticas a nós em cada quesito material, porém carecem de experiências conscientes. A aparente conceptibilidade de zumbis convenceu alguns filósofos de que existe uma "lacuna explicativa" intransponível entre as qualidades materiais e as qualidades da experiência consciente.[5]

            
Essa seria uma versão radical de isomorfia física. Podemos, no entanto, pensar em tipos de isomorfos que não necessariamente teriam em conta o mesmo substrato físico. Seria o caso, por exemplo, do zumbi de isomorfia comportamental e do zumbi de isomorfia funcional ou, para melhor exemplificar, do zumbi de isomorfia funcional-comportamental. Esse tipo de zumbi seria, ao mesmo tempo, uma duplicata funcional do cérebro e do comportamento. Assim, tal como o funcionalismo em filosofia da mente colocaria, dado determinados estímulos, o cérebro, ou circuitaria funcional correspondente (afinal, esse zumbi, não sendo um isomorfo fisiológico, não precisa ter um cérebro no sentido biológico), processaria e transformaria esses estímulos em saídas comportamentais idênticas àquelas de um ser humano, ou outra criatura considerada, consciente. Fala-se, nesses casos, que tal criatura cumpriria papeis funcionais equivalentes. Assim sendo, esse zumbi, a princípio, seria comportamentalmente e funcionalmente indistinguível de sua réplica consciente. Para um funcionalista clássico, essa indistinção seria já um sinal claro de que tal criatura possui estados mentais como qualquer outra. O chamado “teste de Turing”, que já foi interessantemente exemplificado em filmes como Ex-machina, seria uma maneira de colocar essa questão em prova. Logo, para uma dada vertente do funcionalismo, arranjos funcionais apropriados seriam suficientes para falarmos acerca da lacuna explicativa, dispensando, assim, o zumbi de isomorfia física.

Contudo, Nagel, não sendo um funcionalista, e nem um behaviorista filosófico, negaria que isomorfias funcionais ou comportamentais sejam suficientes para atribuições de estados fenomenológicos. Na verdade, o funcionalismo, nesse caso, abriria a possibilidade do argumento da conceptibilidade de Kripke estar correto, pois torna, segundo Nagel (2000, p. 436), a hipótese do zumbi filosófico concebível. Isso ocorre, no seu entendimento, em virtude da relação entre estados funcionais e estados conscientes serem, em última análise, contingentes, ou seja, haveriam circunstâncias imagináveis — um “mundo possível” no linguajar de Kripke — onde uma criatura funcionalmente tão avançada quanto nós seria, não obstante, mentalmente “inóspita”. Podemos pensar, inclusive, em uma criatura, ou computador (se incluirmos também o funcionalismo computacional), com funcionamento mais sofisticado que o nosso cérebro, mas, ainda assim, a conceptibilidade do zumbi filosófico permaneceria válida.

Diferente seria, no entanto, a relação entre estados cerebrais, ou neurofisiológicos, e estados conscientes. Para Nagel, estados neurofisiológicos não são, stricto sensu, estados funcionais. Logo, estados funcionais podem ser realizados em substratos diversos, muito diferentes do substrato neurobiológico. A relação desses estados com a maquinaria propriamente biológica é, portanto, contingente. É razoável admitir que estados neurofisiológicos se processem funcionalmente, mas o raciocínio contrário, no entender de Nagel, não procede, uma vez que estados funcionais podem ser processados em substratos que não são neurofisiológicos.

Raciocínio semelhante, mas em campo conceitual ou analítico, é aplicado na relação entre estados funcionais e estados conscientes. Nagel admite que estados conscientes engendrem, de acordo com o nosso conceito de estados mentais, processos funcionais. Isso seria uma afirmação dependente da nossa própria definição corrente de um estado consciente e, ademais, é o que permite fixarmos os referentes dos nossos termos mentais — isto é, é o que permite sermos capazes de indicar, em terceira-pessoa, uma experiência de dor. Assim, se alguém sente dor, é esperado, em função do nosso próprio conceito de dor, que essa pessoa esteja tendo essa experiência como consequência de um determinado estímulo e que, por conseguinte, o cérebro processe esse estímulo e, por fim, acarrete uma saída comportamental. Contudo, não podemos afirmar, saindo do território da análise conceitual, que o cenário funcional da dor é a experiência de dor. Pois, nesse caso, estaríamos a estabelecer uma identidade ontológica e, portanto, recorrendo a uma afirmação que foge ao território do que podemos afirmar apenas conceitualmente. Isso só seria possível se pudéssemos estabelecer uma relação necessária entre a experiência da dor e o seu estado funcional correspondente. Todavia, como exposto acima, esse não é o caso.

Isso poderia ficar mais claro se analisarmos o que Nagel está pressupondo em campo epistemológico mais geral. Para Nagel (2000, pp. 434-435), verdades semânticas (conceituais ou sintéticas), verdades epistemológicas (a priori ou a posteriori) e verdades metafísicas (necessárias ou contingentes) não coincidem obrigatoriamente. Assim, a despeito de algumas verdades conceituais serem, também, verdades necessárias, há aquelas que não o são. De modo análogo, há verdades necessárias não conceituais. Nagel, assume, inclusive, na esteira de Kripke, que haja verdades necessárias a posteriori, isto é, verdades que, se confirmadas empiricamente, passam a valer para todos os casos possíveis. Esse último caso emblemático é aquele que Nagel reserva para a relação necessária entre eventos físicos e eventos mentais: se um inquérito empírico revelar a identidade entre dois fenômenos, ou entre um fenômeno e a sua causa, passamos, nestas circunstâncias, a ter uma relação necessária entre os mesmos. Tratar-se-ia, apesar dos pesares intuitivos, de um caso de verdade necessária a posteriori.

Vejamos um exemplo sobre isso nas ciências naturais. Depois de Einstein, sabemos que o fenômeno da gravidade é uma distorção espaciotemporal. Essa identidade foi confirmada, deixando de lado os pormenores, a posteriori. A partir dela, temos que a gravidade é estritamente dependente das determinações espaciotemporais, de tal forma que não é possível que haja gravidade sem distorção espaciotemporal e vice-versa. Logo, há uma relação necessária entre ambos. Quando Nagel fala acerca de verdades não analíticas, não a priori, porém necessárias, ele está pensando, sobretudo, em casos de identidade esclarecidas por reduções desse tipo. Assim, uma vez que identidades sejam atestadas empiricamente, elas passam a valer em todos os “mundos possíveis”, a menos que estejamos, na contramão do exemplo usado, dispostos a conceber o fenômeno da gravidade desacompanhado de distorções no espaço-tempo.

A conceptibilidade, portanto, de estados cerebrais apropriados sem os mesmos estarem acompanhados por eventos mentais correspondentes é, no entender de Nagel, algo semelhante a conceber uma distorção espaciotemporal desacompanhada do fenômeno da gravidade. A relação consciência-cérebro, nesse sentido, se confirmada empiricamente, torna-se necessária. Há, contudo, um problema: no caso das reduções científicas, tal como no caso da gravidade já citado, mas também nos casos entre água e H2O, calor e movimento molecular, relâmpago e descarga elétrica, etc., o fenômeno não é só reduzido explicativamente, mas também ontologicamente. Decorre-se disso que, por exemplo, o relâmpago, um fenômeno visual, é nada mais que descarga elétrica. Dizendo de outro modo, o relâmpago não é uma realidade em si, mas uma realidade, se é que podemos chamar realidade, derivada ou aparente. Logo, o relâmpago é, em si mesmo, apenas descarga elétrica. Obviamente, reducionismos desse tipo, quando aplicado ao problema mente-corpo é, para Nagel, inaceitável.

Temos, nessa altura, um novo problema. O raciocínio de Nagel parece se aplicar bem aos casos de identidade nas ciências físicas. No entanto, ele mesmo nega o reducionismo, no sentido em que viemos esboçando, com respeito às qualidades subjetivas da experiência consciente. Dito de modo mais claro, ele pretende assumir a identidade ontológica negando, ao mesmo tempo, a redução. Aqui se encontra o principal alicerce da metafísica nageliana: como falar de identidade sem se comprometer com reducionismos do tipo que a ciência opera? Nas palavras do autor:
O problema é encontrar uma explicação alternativa para a relação, evidentemente muito próxima, entre a consciência e o cérebro que de nenhuma maneira concorde com uma realidade diminuída das qualidades fenomenológicas imediatas da experiência consciente. Devido ao papel causal dos eventos mentais no mundo físico, e à sua associação com estruturas e processos orgânicos específicos, o dualismo cartesiano é implausível. O fisicalismo, no sentido de uma redução conceitual completa do mental ao físico, não é uma possibilidade, pois efetivamente elimina o que é distintivo e inegável a respeito do mental (NAGEL, 2000, p. 440).

Se as qualidades fenomenológicas não podem ser reduzidas, então podemos entender que elas são realidades em si. De fato, são realidades estritamente dependentes, em nível do que as evidências apontam — são “fatos brutos” —, dos eventos físicos, de tal forma que não pode haver alteração dos estados mentais sem que haja, concomitantemente, alteração dos estados físicos. Tal dependência ficou nomeada, em filosofia da mente, superveniência mente-corpo. Contudo, é preciso ainda explicar, mesmo com essa relação tão estrita, a sua realidade própria que, em dimensão não-relacional ou intrínseca, é inequívoca.

3. A saída usal: emergentismo e dualismo de propriedades. 
      
A saída mais usual, cuja literatura em filosofia da mente a cada dia ganha volume, é o emergentismo. Os emergentistas assumem que a relação de superveniência mente-corpo é algo dado, não passível de objeções ou segundas explicações (KIM, 1998, pp. 51-52). No entanto, assumem, ao mesmo tempo, que as qualidades subjetivas ou fenomenológicas da experiência consciente não podem ser explicadas em termos da sua base superveniente. Mais ainda, defendem uma relação de parte com o todo, isto é, quando uma dada organização de elementos mais fundamentais atinge um determinado grau de organização, um novo fenômeno, o fenômeno emergente, surge. Este último, todavia, não se deixa identificar com suas partes constituintes. Tal como no estatuto da consciência defendido por Nagel, trata-se de uma nova realidade com a sua própria densidade ontológica. Heil (2013, p. 172) explica a tese da seguinte maneira:
Quando você organiza partículas de uma maneira apropriada, qualidades conscientes ocorrem pela primeira vez, surgem qualidades conscientes. Embora falar sobre emergência seja fácil, difícil é fornecer uma caracterização informativa da noção. A emergência parece ter algo a ver com propriedades de partes e propriedades de um todo. De fato, um todo pode possuir propriedades que nenhuma das suas partes possuem. Suponha que você tenha três fósforos. Você organiza estes para formar um triângulo. Agora o todo é triangular, embora nenhuma de suas partes seja triangular.

Nagel concorda com os emergentistas a respeito do estatuto ontológico próprio da consciência e da correlação estrita entre consciência e cérebro. Ele discorda, por outro lado, das consequências dualistas que a tese emergentista acarreta. Pensar que as propriedades fenomenológicas dos eventos mentais são como que estados “superiores”, ou emergentes, aos estados cerebrais (“inferiores”), parece algo que foge ao monismo, ou à identidade, desejado por Nagel. Os emergentistas, nesse caso, diriam que os estados conscientes emergentes possuem constituição ou “estofo” puramente físico, ainda que novas propriedades, não incluídas no nível cerebral, venham a surgir. Isso, no entanto, levantaria um novo problema, a saber: como uma realidade com um conjunto limitado de propriedades (a constituição física do cérebro) poderia fazer surgir propriedades que estão para além desse conjunto? Na linguagem nageliana, como algo de caráter objetivo poderia fazer emergir algo de caráter subjetivo? Esse é o problema conhecido como emergência bruta ou emergência radical. Considere, por exemplo, o caso citado por Heil (2013, p 173), mas que é recorrentemente usado, da água. A água possui propriedades manifestas tal como a liquidez e a transparência. Tais propriedades, que são emergentes, não estão inclusas entre as propriedades das moléculas de H2O: as propriedades desta molécula são puramente físico-químicas. Logo, temos que as propriedades manifestas — liquidez e transparência, por exemplo — são propriedades, em escala ontológica, inéditas. Todavia, diríamos em defesa do emergentismo, essas propriedades de nível superior são inteiramente explicadas em termos dos seus constituintes mais básicos, a saber, em termos de propriedades moleculares e das suas relações. Dessa forma, se pudermos explicar a emergência da consciência a partir da organização de uma dimensão mais fundamental, o cérebro, teremos que o emergentismo é verdadeiro. Contudo, como expomos acima, esse não é o caso: as características da experiência consciente, sua subjetividade e seus aspectos puramente qualitativos, não parecem estar previstos na constituição cerebral, que é, a princípio, desprovida de quaisquer propriedades que possam explicar o caráter fenomenológico da experiência consciente.
            
Para resolver esse impasse, alguns filósofos viram a necessidade de presumir, ou inferir, que haja, na própria realidade objetiva, tal como no nível molecular exemplificado acima, propriedades psíquicas ou mentais que não estão previstas na imagem fisicalista de mundo. Isso resolveria o problema da emergência bruta, uma vez que o emergentismo não incorreria mais no erro de postular propriedades emergentes que não estejam previstas, ao menos em essência, em sua base de emergência. Tal tese ficou conhecida, em termos gerais, mas já com diversas variações, como pampsiquismo. Sobre isso, e com razões bastante convincentes, Galen Strawson (2008, pp. 53-74), em seu artigo Realistic monism: why physicalism entails panpsychism originariamente publicado em 2006, chegou a afirmar que, uma vez que não estejamos dispostos a negar a realidade da experiência consciente, o fisicalismo necessariamente implica o pampsiquismo. Nagel também buscou fontes no pampsiquismo para poder resolver suas teses. Por ora, no entanto, deixaremos o pampsiquismo de lado. Ele será discutido, no que Nagel tem a dizer, na última seção antes de apresentarmos a conclusão.
            
Por fim, cabe considerarmos o dualismo de propriedades. Diferentemente do emergentismo, o dualismo de propriedades é uma tese mais geral, que pode ser usada como um termo “guarda-chuva” para outras posições. Para nós, cabe sabermos que Nagel nega igualmente esse tipo de dualismo. Suas justificativas, além das que já deixamos entrever acerca do emergentismo, são breves:
[...] ocasionalmente, fui atraído por algum tipo de dualismo de propriedade; mas, como um dualismo de substância, ele parece apenas dar um nome a um mistério sem explicá-lo. Dizer simplesmente que os eventos mentais são eventos físicos com propriedades adicionais, não físicas, é forçar conceitos discrepantes, sem assim tornar a sua relação potencialmente inteligível. Ele sugere pura emergência [novamente], o que não explica nada (NAGEL, 2000, p. 441).

Ao que parece, Nagel está em busca de uma alternativa que não implique abrir mão da identidade ontológica que ele defende. Saídas que retomem, ainda que aparente, o quadro geral do dualismo de substâncias, devem ser evitadas. Sendo assim, qual saída Nagel terá para sugerir? Como dito na introdução deste artigo, a solução nageliana, em resposta aos dualismos de propriedades, é o monismo de duplo-aspecto. Tentaremos, de modo breve, traçar as linhas gerais dessa tese a seguir.

4. A saída nageliana: o monismo de duplo-aspecto.

O próprio Nagel não nomeia a sua tese como “monismo de duplo-aspecto”. A nomenclatura escolhida por ele próprio, em Visão a partir de lugar nenhum, é “teoria do aspecto dual”. Escolhemos, no entanto, incluir o termo “monismo” para melhor contrastá-lo com outros termos simétricos. De antemão, podemos dizer que a teoria nageliana também seria bem nomeada, mas com ressalvas, como “teoria da dupla-essência”, uma vez que Nagel, de fato, virá a usar o termo “essência” quando se referir à dimensão mais básica da realidade. Já o termo “aspecto” — ao invés de “essência” —, que foi a escolha efetiva de Nagel para a titulação da sua tese, decorre, provavelmente, do seu viés kantiano a respeito da impossibilidade de conhecermos algumas dimensões do real. Nesse sentido, “aspecto” tenderia a ser mais adequado ou modesto, ou epistemologicamente apropriado, uma vez que estamos tentando referenciar, de um ponto de vista humano, a constituição última do real, e não características evidentes.
            
Nagel (2000, p. 446) admite semelhanças da sua tese com a teoria do duplo-aspecto de Espinosa e com o monismo neutro de Bertand Russell — este último tipo de monismo, como podemos notar em Análise da Matéria, com uma certa dose de sofisticação e peculiaridades que distanciam-no da teoria nageliana. Semelhanças próximas, a despeito de Nagel não o admitir, também são encontradas no dualismo de propriedades[6] de David Chalmers. Nesse último caso, a distinção merece atenção. Para tanto, utilizaremos a distinção proposta por Pereira (2014, p. 206-207) que atende, ao nosso ver, ambos os autores. No caso do dualismo de propriedades de Chalmers, um mesmo sistema é capaz de instanciar dois tipos de propriedades. Por exemplo, o cérebro instancia, ou processa, propriedades fisiológicas a partir da sua maquinaria molecular e eletroquímica. Esse mesmo sistema também instancia propriedades fenomenológicas, tais como as experiências de sabor, dor ou desejo. Contudo, as propriedades fisiológicas ou físicas são apenas físicas e as propriedades fenomenológicas são apenas fenomenológicas. Podemos dizer que, no dualismo de propriedades, duas propriedades distintas são instanciadas pelo mesmo sistema.
            
No caso do monismo de duplo-aspecto, por outro lado, um mesmo sistema, ou dimensão mais básica, contém essencialmente e expressa, ao mesmo tempo, mentalidade e fisicalidade. Disso se implica que o físico é, ao mesmo tempo, mental, a depender da perspectiva, ou visão, que tomamos para concebê-lo — e vice-versa. A necessária simultaneidade proposta por Nagel envolve a ideia de que o físico e o mental são aspectos (de um ponto de vista epistemológico), e ao mesmo tempo essências (de um ponto de vista metafísico), de uma mesma coisa mais fundamental. Diz, Nagel (2000, p. 452), “a proposta então é que os estados mentais teriam uma dupla essência — fenomenológica e fisiológica [...]”. Segue-se disso que, ao contrário da doutrina anteriormente citada, não há um dualismo, mas um “monismo” de propriedades (no plural), relativo a uma única coisa que congrega, necessariamente, as duas essências, ou aspectos, da realidade.
            
Para Nagel, essa proposta é motivada, sobretudo, para garantir, de uma forma sumariamente incontornável, a relação necessária entre consciência e cérebro e dispensar, assim, o argumento da conceptibilidade de isomorfos fisiológicos sem consciência. As motivações, contudo, não se limitam a buscar evitar o argumento da conceptibilidade. Temos implicações sérias, por exemplo, quando aplicamos essa tese dentro do problema da causalidade mental:
Se correlações estritas são observadas entre uma variável fenomenológica e uma variável fisiológica, a hipótese [em questão] não seria que o estado fisiológico cause o fenomenológico, mas que há um terceiro termo que implica ambas sem ser definido como a mera conjunção das duas. Teria que ser um terceiro tipo de variável, cuja relação com as outras duas não seria causal, mas constitutiva. Este terceiro termo deixará nada de fora. Seria um X, tal que X seria uma sensação, e X seria um estado cerebral, ambos decorrendo da natureza do próprio X, independente de sua relação com qualquer outra coisa (NAGEL, 2000, p. 458).

Se o mental é o físico, dizer que um causa o outro carece de sentido, dado que nada pode ser uma causa sui. Logo, dizer, em termos nagelianos, que fatos mentais superveem a fatos físicos permite-nos dispensar qualquer vocabulário acerca da causalidade. Temos, por fim, que os problemas ocasionados pela identidade psicofísica surgem em virtude de se deixar de entrever que a identidade psicofísica é, ela mesma, algo, uma dimensão real e mais básica, aguardando investigação.

As implicações epistemológicas disso são especialmente interessantes, pois, uma vez que mente e fisiologia são aspectos de uma só e mesma coisa, devemos, antes, buscar compreender não as leis causais destes aspectos, mas de algo mais fundamental, o algo psicofísico que, atualmente, foge ao nosso alcance epistêmico. Para tanto, Nagel sugere uma teoria unificadora ou “composicional” (NAGEL, 2000, p. 464), capaz revelar, simultaneamente, processos de ambos os aspectos ou essências envolvidas: “isso requer a disposição para contemplar a ideia de um único fenômeno natural que é, em si mesmo, e necessariamente, tanto mental subjetivamente, quanto físico objetivamente” (NAGEL, 2000, p. 470). Mais à frente, na mesma página, ele revela: “isso significa que o que Bernard Williams denominou a concepção ‘absoluta’ da realidade não será uma concepção física, mas algo mais rico que implica ambos, o físico e o mental”.

Trata-se de uma proposta, decerto, ambiciosa. Além disso, Nagel não parece muito claro sobre o que deve ser feito para alcançar esse nível absoluto, e ao mesmo tempo duplo, da realidade. Ele fala de descobrir “similaridades sistemáticas estruturais entre os processos fisiológicos e fenomenológicos” e que seria necessário uma “abundância maior de informações empíricas do que temos hoje” (NAGEL, 2000, p. 470). De todo modo, tal empreitada dependeria, a princípio, de uma mudança crítica de paradigma científico, o que envolveria esforços filosóficos não apenas de filósofos, mas também dos próprios cientistas, uma vez que estes últimos devem já estar convencidos, de antemão, para que discussões e pesquisas desse tipo possam ganhar espaço na comunidade científica.

Enfim, temos uma última implicação, já mencionada, da teoria nageliana: o pampsiquismo. Em função de tempo, diremos algo breve, mas que, não obstante, deveria merecer um detalhamento maior.

5. A implicação pampsiquista[7]

Se o mental — bem como o físico — está incluso essencialmente nesse terceiro termo que é o estofo próprio da realidade, então podemos concluir que o mental permeia toda a realidade. Disso não pretendemos dizer, segundo Nagel, que qualquer porção do real seja consciente no sentido usual da palavra, isto é, no sentido de haver um sujeito de experiências, mas apenas que há, de algum modo primitivo, aspectos experienciais mesmo em partículas individuais desorganizadas.[8]
            
Nagel, ainda em 1979, já reservava, com precauções, atenção para o assunto. Acerca das motivações teóricas que levam ao pampsiquismo, ele diz:
Se as propriedades mentais de um organismo não estão implicadas em propriedades físicas, mas devem derivar das propriedades dos constituintes de um organismo, então esses mesmos constituintes devem possuir propriedades não físicas das quais o aspecto das propriedades mentais seguem-se quando a combinação é do tipo certo (NAGEL, 1979, p. 182). 
        
Tendo essa exposição provisória, devemos agora buscar distinguir o pampsiquismo do animismo. O animismo é a tese de que coisas tomadas habitualmente como desprovidas de vida psíquica podem possuir intencionalidade semelhante à nossa. Em uma de suas expressões, talvez a mais extremada, o animismo advoga espiritualidade para tudo o que encontramos na natureza (p.ex.: objetos, processos ou fenômenos). Assim, podemos falar da intencionalidade de plantas, rochas e até de fenômenos naturais passageiros como uma tempestade. Tudo é mentalmente vivo, de tal forma que não há, entre nós e a natureza, uma distinção psíquica: o mundo a nossa volta está igualmente impregnado de almas e intencionalidades — impregnado, do latim, de anima. Seja como for, o que deve ser contrastante no animismo é que ele surge como parte de uma visão de mundo mais geral. Em verdade, o animismo é, quase sempre, elemento teórico de uma cultura ou religião mais ampla.

O pampsiquismo, por outro lado, é uma tese com pretensões metafísicas mais limitadas — mas não menos modestas quando temos em consideração questões epistemológicas. Seja como for, ele surge, dentro das discussões em filosofia da mente, com motivações específicas. Por isso, antes de podermos esboçar suas definições, vale a pena entender por que razão, ou viés, filósofos contemporâneos assumem a tese pampsiquista dentro de suas teorias a respeito da mente.

O pampsiquismo em filosofia da mente surge, normalmente, como uma tentativa de contornar o problema, já citado, da emergência bruta da consciência. Outra motivação geral, citada por Nagel (1979, p. 181), é a de simplesmente evitar o reducionismo de propriedades mentais à propriedades físicas.

É dentro desse cenário de dificuldades epistemológicas e metafísicas que o pampsiquismo surge como uma alternativa. A intuição geral do pampsiquismo é a de que a emergência da consciência só pode ser explicada se passarmos a assumir que aquilo que a faz emergir já é, em algum nível, consciente — colapsando a própria ideia de emergência em seu sentido forte. Dizendo de modo direto: a matéria contida no universo já possui, em sua composição, traços psíquicos. Assim, pode-se falar dos aspectos fenomenológicos da consciência sem ser necessário recorrer a fatos ontológicos novos, para não dizer contraditórios. Se a matéria, ela mesma, já é em algum nível consciente, então a proposta de emergência da consciência, tal como a emergência da liquidez, não apresenta mais contradições ontológicas, pois, em ambas as instâncias, temos propriedades comuns.

Em sua versão mais corrente, os filósofos e cientistas adeptos do pampsiquismo falam de traços “protopsíquicos" nos níveis microfísicos da matéria. Assim, as partículas elementares da matéria conteriam, em um viés nageliano, tanto aspectos físicos — objetivos — quanto aspectos psíquicos — subjetivos. Os aspectos subjetivos, nesse caso, são prototípicos, isto é, nascentes ou primitivos. Noutras palavras, um elétron não é consciente tal como um sujeito provido de uma complexidade cerebral, mas ele já possui traços primitivos capazes de gerar uma unidade consciente (sujeitos conscientes) quando organizados de determinada maneira. Assim, a matéria, quando suficientemente organizada, faria surgir, a partir de si mesma, totalidades conscientes sem que nenhum fato ontológico adicional ou contraditório tivesse de ser postulado. Essa é, mais especificamente, a versão que poderíamos chamar de microprotopampsiquismo — o nome assusta, mas evitá-lo geraria confusões com outras versões.

O pampsiquismo possui ainda outras variantes. Numa delas, diferente do microprotopampsiquismo esboçado acima, defende-se que a natureza intrínseca, ou primária, da matéria é psíquica. Ou seja, a materialidade dos elementos do universo é secundária ao que é psíquico. Chamemos esta vertente, provisoriamente, de psiquismo intrínseco da realidade ou, simplesmente, psiquismo cósmico. Dessa perspectiva, implica-se, dentre outras coisas, que a ontologia da consciência antecede e excede a ontologia da matéria — essa é, assim entendemos, a perspectiva do filósofo francês Henri Bergson, por exemplo[9]. Mas isso não basta, pois essa visão, por sua vez, ainda pode ser dividida em outras duas variantes: o micropsiquismo e o macropsiquismo. No primeiro caso, temos que a natureza intrínseca, e portanto psíquica, da realidade encontra-se no nível das partículas elementares; no segundo caso, temos que a natureza psíquica da realidade encontra-se em níveis superiores (essa última variante, até onde sabemos, não possui adeptos, mas ela é, no entanto, teoricamente concebível).

Também temos a versão restrita do pampsiquismo (que colocaria em cheque o prefixo "pan"). Nessa visão, nem tudo na realidade possui aspectos ou uma natureza intrínseca psíquica. Por exemplo, pode-se defender, numa versão micropsiquista, que apenas partículas de moléculas orgânicas possuam aspectos ou fundamentos psíquicos. Logo, apenas certas composições materiais possuiriam características subjetivas, capazes de fazer emergir uma consciência. A sua versão oposta, como podemos supor, é o pampsiquismo global: qualquer porção cósmica possui propriedades mentais ou protomentais.

Por fim, temos também aqueles que evitam o termo "psiquismo" ou mesmo "mente", por entender que esses termos são por demais polissêmicos e, portanto, passíveis de confusão. Tendo isso em vista, Galen Strawson (2008, p. 5; 2017, p. 71), por vezes, prefere falar em panexperiencialismo. Ou seja, haveria experiencialidade subjetiva em determinados níveis da realidade — no caso de Strawson, em níveis microfísicos (“micropanexperiencialismo”).          

Outras variações da doutrina também já são conhecidas. Aqui, contudo, procuramos exemplificar um número limitado, a fim de não tornar por demais longa essa exposição muito introdutória. Bastará, para os propósitos deste artigo, termos fornecido uma ideia geral do que a metafísica de duplo-aspecto envolve para além de simplesmente resolver querelas técnicas a respeito da lacuna psicofísica. O pampsiquismo, ao longo das últimas décadas, tem ganhado número expressivo de adeptos. Trata-se de uma teoria que soa estranha a qualquer um que tenha um primeiro contato. De todo modo, ele parece ser, atualmente, a alternativa metafísica mais promissora, a despeito da estranheza que provoca. Há muitas razões para pensar que o pampsiquismo é falso[10], mas também há, igualmente, muitas razões para pensar que ele é verdadeiro. Sobre isso, diz Chalmers (2016, p. 20): “falando por mim mesmo, não estou confiante de que o pampsiquismo é verdadeiro, mas também não estou confiante de que é falso”. E, para concluir essa seção, também diz:
O pampsiquismo, às vezes, é descartado como uma visão maluca, mas essa reação, por si só, não é uma objeção séria. Embora a visão seja contraintuitiva para alguns, há boas razões para pensar que qualquer perspectiva sobre a consciência deve abranger algumas conclusões contraintuitivas (CHALMERS, 2016, p. 19).

6. Conclusão
           
Nagel oferece uma alternativa interessante a respeito dos problemas elencados pela relação psicofísica. Decerto, muito do seu raciocínio, a despeito de um percurso lógico razoável, aponta para conclusões intuitivas talvez pouco consensuais. De todo modo, ao que parece, Nagel pretende o que chamou, em outra ocasião, de uma epistemologia “heroica” (NAGEL, 2004, p 112), ou seja, pretende apontar para soluções que não permitam espaço para lacunas, o que exige certo esforço imaginativo, cuja legitimidade só poderá ser corroborada ao longo do tempo.
            
Cabe, assim, um esforço, sobretudo filosófico, para além das pesquisas empíricas, a fim de podermos, no entendimento de Nagel, aprofundar a investigação do real. Ao que ele nos deixou indicar, a cosmovisão utilizada pelas ciências atuais impede o uso de ferramentas conceituais que possam orientar novos rumos. Se assim for, podemos esperar, no futuro científico, pressupostos teóricos que, hoje, seriam considerados, no sentido pejorativo da expressão, “pura metafísica”, mas que terão a potencialidade de produzir inteligibilidade para fatos que até então passam despercebidos para o cientista.
           
Referências bibliográficas

ČAPEK, M. Bergson and Modern Physics: a reinterpretation and re-evaluation. Dordrecht: D. Reidel Publishing Company, 1971.
CHALMERS, D. The Conscious Mind: in search of fundamental theory. Oxford and New York: Oxford University Press, 1996.
CHALMERS, D. Panpsychism and panprotopsychism. In: BÜNTRUP, G.; JASKOLLA, L. (Eds.). . Panpsychism: contemporary perspectives. New York: Oxford University Press, 2016.
HEIL, J. Philosophy of Mind: a contemporary introduction. 3. ed. New York and Oxon: Routledge, 2013.
KIM, J. Philosophy of Mind. 1998.
KRIPKE, S. A. Naming and Necessity. Massachusetts: Harvard University Press, 1980.
LEVINE, J. Materialism and qualia: the explanatory gap. Pacific Philosophical Quarterly, v. 64, p. 354–361, 1983.
NAGEL, T. What is it like to be a bat? The Philosophical Review, v. 83, n. 4, p. 435–450, 1974.
NAGEL, T. Mortal Questions. Cambridge: Cambridge University Press, 1979.
NAGEL, T. The psychophysical nexus. In: BOGHOSSIAN, P.; PEACOCKE, C. (Eds.). . New essays on the a priori. Oxford: Clarendon Press, 2000. p. 433–471.
NAGEL, T. Visão a Partir de Lugar Nenhum. São Paulo: Martins Fontes, 2004.
PEREIRA, A. Triple-aspect monism: Physiological, mental unconscious and conscious aspects of brain activity. Journal of integrative neuroscience, v. 13, n. 2, p. 201–27, 2014.
STRAWSON, G. Real Materialism: and other essays. New York: Oxford University Press, 2008.
STRAWSON, G. The Subject of Experience. New York: Oxford University Press, 2017.




[1] Nas palavras de Nagel (2000, p. 461), “[...] o conceito de um terceiro tipo de estado ou processo que implicaria ambas as características fenomenológicas e fisiológicas [...]”.
[2] A princípio, o mental engloba características fenomenológicas — aspectos puramente qualitativos e subjetivos da experiência psíquica — e características não fenomenológicas — aspectos cognitivos, informacionais, etc. No entanto, nesse artigo, por se tratar da temática da consciência, iremos tomar os termos “mente” e “consciência” como sinônimos de experiência fenomenológica. Assim sendo, os chamados “problemas fáceis” classificados por David Chalmers (1996, pp. 24-25), exceto quando chamarmos a atenção para o contrário, serão deixados de lado nessa discussão.
[3] Kripke fala de dependência ontológica. No original, “ontologically dependent”. Seria o equivalente de dizer que fatos mentais não podem existir sem haver fatos físicos correspondentes.
[4] Chalmers (1996, p. 95), usando uma distinção de outro tipo, fala sobre “zumbis psicológicos” e “zumbis fenomenológicos”. Os zumbis psicológicos não necessariamente carecem de experiências conscientes. Por exemplo, esses zumbis poderiam ter a experiência de prazer ao realizar seus impulsos a despeito de suas debilidades psicológicas de ordem mais baixa ― da ordem da funcionalidade, do comportamento ou, de modo resumido, dos “problemas fáceis”. Nesse sentido, zumbis desse tipo careceriam apenas de elementos psicológicos não experienciais. Iremos, assim, para os propósitos desse artigo, levar em conta apenas o outro tipo, o zumbi fenomenológico, que carece, necessariamente, não de mentalidade em sentido geral, mas de experiências conscientes.
[5] Exceto se salientarmos do contrário, todas as traduções desse artigo são livres.
[6] Chalmers também defende uma teoria do duplo-aspecto, mas não como uma teoria da natureza da consciência e da matéria propriamente dita, mas da informação.
[7] Tomarei como referência indireta nessa seção, sobretudo, a coletânea, em eBook, de Bruntrup e Jaskolla intitulada Panpsychism: contemporary perspectives de 2016.
[8] O problema da experiencialidade estar associada necessariamente, ou não, a um sujeito, é um problema recorrente na história da filosofia e merece atenção à parte. Contudo, podemos supor, para salvar provisoriamente o raciocínio, que traços fenomenológicos primitivos estejam acompanhados, por conseguinte, de sujeitos primitivos ou “proto-sujeitos”.
[9] Ver, por exemplo, Capek (1971, pp. 302-312).
[10] Temos razões para pensar na sua falsidade, por exemplo, quando colocamos os traços protopsíquicos do pampsiquismo mais aceito frente ao problema da relação experiência-experienciador. Ver nota de número 8.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Uso Público e Privado da Razão

“Denomino uso privado aquele que o sábio pode fazer de sua razão em um certo cargo público ou função a ele confiado. Ora, para muitas profissões que se exercem no interesse da comunidade, é necessário um certo mecanismo, em virtude do qual alguns membros da comunidade devem comportar-se de modo exclusivamente passivo para serem conduzidos pelo governo, mediante uma unanimidade artificial, para finalidades públicas, ou pelo menos devem ser contidos para não destruir essa finalidade. Em casos tais, não é sem dúvida permitido raciocinar, mas deve-se obedecer.”

“[...] Entendo, contudo sob o nome de uso público de sua própria razão aquele que qualquer homem, enquanto sábio, faz dela diante do grande público do mundo letrado.” (Resposta à pergunta: O que é o Esclarecimento - Immanuel Kant)

É bem possível dizer que Kant, quando escreveu “Resposta à Pergunta: Que é Esclarecimento?”, ele estava exercendo seu saber dentro dos limites do condicionamento do uso privado da razão. Ora, esta idéia de …

Canais Iônicos e Potencial de Repouso

Na membrana das células neuronais estão, além de outras proteínas de membrana, os canais iônicos. Estes canais são proteínas de membrana integrais, isto é, atravessam a membrana de dentro a fora (KANDEL, 2003). Sua função crítica está em produzir alterações rápidas da diferença de potencial elétrico, levando informação a longas distâncias, tais como outros tecidos e órgãos (YU et al., 2005). 
Havendo uma mudança no potencial elétrico ao longo da membrana, ou mesmo quando da presença de um ligante ou estímulo mecânico, estes canais sofrem mudanças conformacionais, permitindo a passagem seletiva de íons através deles (YELLEN, 1998). A passagem de íons através dos canais iônicos se dá de forma passiva, isto é, sem gasto de energia, segundo o gradiente químico favorecido: onde há, por exemplo, menos potássio tende-se a receber mais potássio. Contudo, no amplo mosaico de proteínas da membrana, se sabe também da presença uma outra classe de moléculas especializadas semelhantes aos canais iôn…

Black Mirror não é s/ tecnologia, nem s/ o que há de pior em nós: é sobre filosofia.

Nas últimas semanas me deparei com dois textos: um que atribuía a temática "tecnologia" e outro que atribuía a temática "sobre o que há de pior em nós mesmos" acerca do seriado Black Mirror.
Considero essas atribuições uma negligência grosseira, uma vez que desconhecem o que filósofos fazem, pelo menos, desde Descartes - ou até antes. Trata-se do que chamamos em filosofia de "experimentos de pensamento" (ou thought-experiment, como foi cunhado pelos filósofos de língua inglesa). Os experimentos de pensamento são uma poderosa ferramenta epistemológica presente em muitos argumentos filosóficos, sobretudo aqueles de teor metafísico. Grosso modo, são casos imaginários conjecturados a fim de colocarem em teste as nossas intuições. Por exemplo, no caso de Locke, é muito conhecido o experimento de pensamento de trocas de mentes do Príncipe e o Sapateiro, onde a intenção é forçar nossas intuições acerca dos critérios metafísicos de identidade pessoal.
Locke, con…