Pular para o conteúdo principal

Pode-se ser anticapitalista e comprar o que bem quiser (Parte 1)



Pode-se ser anticapitalista e comprar o que bem quiser. Foi por conta de um raciocínio habitual falso que isso se tornou uma contradição.

O capitalismo subsiste pelo braço do trabalhador, que constitui sua base real e sólida, ou seja, sua "força de produção". Já o sistema como tal é, muito antes, um conjunto de convenções abstratas, filtros de créditos, juros, acordos de papel, hierarquias jurídicas estabelecidas, ou seja, elementos virtuais ou hipóstases que subjugam forças materiais ao seu favor. O mesmo se passa com a mercadoria, que longe de constituir a essência  da estrutura de produção, é apenas o epifenômeno da mesma. Sendo assim, em campo concreto, tudo o que seria proveniente do capitalismo é, na verdade, proveniente da esfera real de produção, isto é, do próprio operário. Ao trabalhador tudo pertence: quem produziu a mercadoria tem, pela lógica natural do mundo, todo o direito sobre ela. Ao burguês parece não bastar explorar a mão-de-obra e ter um sistema que a ele beneficia, ele ainda quer alienar a realização do trabalho de seu empregado. De fato, ele o aliena, mas o aliena convencionalmente: ou seja, segundo determinações de ordem não reais, mas abstratas, como as convenções jurídicas sobre a propriedade privada. 

Sendo assim, não importa qual "superestrutura", modo jurídico ou ideologia domine: o produto fabricado é sempre resultante da força do trabalhador e, portanto, a ele de modo algum poderia escapar. Ao trabalhador tudo pertence. Alguém da esquerda pode até dizer que tal mercadoria é resultante de exploração, mas ainda assim ela continua sendo a realização material da força de produção que é a real dona do objeto. Apenas desvirtuando a realidade da produção com convenções abstratas que se torna possível alienar o artefato do artesão. 

Haverá quem possa levantar a seguinte dicotomia: a ideia versus a realização da mercadoria. Pois bem, se por acaso se escolher a primazia da ideia, então a pessoa é, no sentido rigoroso da palavra, um idealista (um idealista no sentido mais pejorativo possível, pois subjuga a realidade concreta). A quem escolhe a segunda opção será, portanto, o realista, isto é, aquele que toma a esfera material e concreta como o sustentáculo do mundo econômico (a economia real). Seja como for, não se trata de dar primazia nem para um nem para outro. Ideia e realização, projeto e produção, sejam quais forem as nomenclaturas, se tratam de duas esferas igualmente importantes e, portanto, na menos pior das hipóteses, de primazia equacionada. Por fim, e a isso devo os raciocínios de Max Stirner, o capitalista, sobretudo o liberal, nada tem de "encaro a natureza do mundo", pois na verdade ele é, em essência, um enunciador, ufanizador e protocolador de normas abstratas, enfim, um idealista! Ele, ingenuamente, se esquece que uma ideia sem sua realização, a força de produção, nunca deixará de ser uma ideia. O capitalismo subsiste, é produto, não constitui a real estrutura que suporta a realidade social .  

Então não vamos falar de hipocrisia quando um ativista, que é trabalhador, utiliza os produtos que no final das contas ele mesmo, enquanto real classe social, produziu. Afirmar tal coisa é ser leviano. Ele pode comprar o que bem quiser sem nenhuma contradição em vista. Em boa verdade, a hipocrisia se manifesta, antes, pelo próprio burguês, que pensa que a sua mercadoria surgiu no mundo como um passe de mágica! [ou de créditos]. 

- Benny

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Uso Público e Privado da Razão

“Denomino uso privado aquele que o sábio pode fazer de sua razão em um certo cargo público ou função a ele confiado. Ora, para muitas profissões que se exercem no interesse da comunidade, é necessário um certo mecanismo, em virtude do qual alguns membros da comunidade devem comportar-se de modo exclusivamente passivo para serem conduzidos pelo governo, mediante uma unanimidade artificial, para finalidades públicas, ou pelo menos devem ser contidos para não destruir essa finalidade. Em casos tais, não é sem dúvida permitido raciocinar, mas deve-se obedecer.”

“[...] Entendo, contudo sob o nome de uso público de sua própria razão aquele que qualquer homem, enquanto sábio, faz dela diante do grande público do mundo letrado.” (Resposta à pergunta: O que é o Esclarecimento - Immanuel Kant)

É bem possível dizer que Kant, quando escreveu “Resposta à Pergunta: Que é Esclarecimento?”, ele estava exercendo seu saber dentro dos limites do condicionamento do uso privado da razão. Ora, esta idéia de …

Black Mirror não é s/ tecnologia, nem s/ o que há de pior em nós: é sobre filosofia.

Nas últimas semanas me deparei com dois textos: um que atribuía a temática "tecnologia" e outro que atribuía a temática "sobre o que há de pior em nós mesmos" acerca do seriado Black Mirror.
Considero essas atribuições uma negligência grosseira, uma vez que desconhecem o que filósofos fazem, pelo menos, desde Descartes - ou até antes. Trata-se do que chamamos em filosofia de "experimentos de pensamento" (ou thought-experiment, como foi cunhado pelos filósofos de língua inglesa). Os experimentos de pensamento são uma poderosa ferramenta epistemológica presente em muitos argumentos filosóficos, sobretudo aqueles de teor metafísico. Grosso modo, são casos imaginários conjecturados a fim de colocarem em teste as nossas intuições. Por exemplo, no caso de Locke, é muito conhecido o experimento de pensamento de trocas de mentes do Príncipe e o Sapateiro, onde a intenção é forçar nossas intuições acerca dos critérios metafísicos de identidade pessoal.
Locke, con…

Canais Iônicos e Potencial de Repouso

Na membrana das células neuronais estão, além de outras proteínas de membrana, os canais iônicos. Estes canais são proteínas de membrana integrais, isto é, atravessam a membrana de dentro a fora (KANDEL, 2003). Sua função crítica está em produzir alterações rápidas da diferença de potencial elétrico, levando informação a longas distâncias, tais como outros tecidos e órgãos (YU et al., 2005). 
Havendo uma mudança no potencial elétrico ao longo da membrana, ou mesmo quando da presença de um ligante ou estímulo mecânico, estes canais sofrem mudanças conformacionais, permitindo a passagem seletiva de íons através deles (YELLEN, 1998). A passagem de íons através dos canais iônicos se dá de forma passiva, isto é, sem gasto de energia, segundo o gradiente químico favorecido: onde há, por exemplo, menos potássio tende-se a receber mais potássio. Contudo, no amplo mosaico de proteínas da membrana, se sabe também da presença uma outra classe de moléculas especializadas semelhantes aos canais iôn…